sábado, 30 de junho de 2007

Eu bem que queria falar sobre a minha nova doença aqui. Mas ela é meio pessoal demais, algo que eu só devo tratar com a minha ginecologista. E pensando bem, eu tenho algo melhor a por em discussão.
É só um desabafo, nada politizado nem nada. Também é pessoal:
Ontem, indo em direção a algum bar, um dos meus acompanhantes conta a última notícia que tiveram da menina que foi "sequestrada" no sudoeste: acharam a cabeça dela, lá em samambaia.
E como nada se sabe além de que agora não tem mais cabeça no corpo dela, fica aquela dúvida, por que diabos alguém faria isso?
É horrível pensar que não se tem mais pra onde correr. Provavelmente coisas como essa acontecessem sempre, mas como foi uma menina de classe média, foi feito essa balbúrdia toda em cima disso.
Mas é que agora não dá mais! Isso são consequência de anos de exclusão, exploração, etc. As pessoas acabam criando sua própria lei, uma nova raça quase. A humanidade não aprendeu a construir sem destruir. O bom só vem pra alguns... mas reflete depois. E nesse caso, se refletiu em uma menina de 14 anos.
Chega a dar medo.

Vou churrasquear em breve, preciso de um banho.
E rezem, mesmo não sabendo o que se passa no meu organismo, rezem por ele!
E pela menina, claro.

3 comentários:

lerena disse...

você fez falta no churrasco!
vou decidir se vou viajar com vocês agora, me deseje sorte :)

Paula disse...

mas a polícia tá achando que quem fez isso foi conhecido dela. nada de exclusão social não. os mais fdps são da nossa classe mesmo. ¬¬
então: fez falta mesmo!
terça virás pra cá, não se esqueça.

Marcos disse...

Po agora eu fiquei curioso pra saber que doença é essa!